Gestos e Restos na 4ª Mostra de Teatro Infantil

Saio de casa, com a Dona Sofia (a nossa Kombi), sob chuva e vento. Voto, chego ao teatro, com chuva e vento. E a chuva e o vento continuam. E eu penso: terá pouco público hoje. Que nada, teatro cheio, com gente de todas as idades. Gente que já tinha visto, e veio novamente.

Na verdade, nem sei muito o que escrever. Estou cansado, e só queria deixar aqui o registro da minha alegria. E o agradecimento as pessoas que tem feito tudo isso comigo. O Gesto e Restos é um projeto que segue comigo faz tempo (ao menos, parece muito tempo), algo em torno de três anos. Sempre foi muito difícil: desde a ideia utópica, até as coisas que tive que deixar, o que tive que mudar, repensar, refazer, refazer, experimentar, refazer. Ainda refaço, todo dia. Toda apresentação é diferente, e não simplesmente porque é única, mas porque eu faço questão de mudar, de cada dia tentar montar os canos de forma diferente, de usar a minha energia do dia no encontro com as bolas. De variar o diálogo com o público no momento do cubo… E com isso eu erro, todo dia eu erro. Mas por que levaria para a cena algo perfeito, se a vida não é? Manter essa tensão constante, é o que me faz voltar para o palco, pois ali segue a vida…

A arte estanque não me interessa, como prática. O bom sempre bom pra mim não é tão bom. Esta temporada foi bem diferente das demais, só isso já me deixaria contente, mas foi muito além, pois com a presença dos pequenos, em função da 4ª Mostra de Teatro Infantil, eu pude ter um retorno melhor do que se passa do lado de lá, na plateia. Sai do teatro feliz, energizado, revitalizado, nessa correria do tempo que não para, nem para ver a estrela D’alva. Estou aprendendo a cada dia que ouço, novamente, a minha vó a dizer: se eu vou lá pra fora lá, eu vou parar, olhar, aplaudir a lua, as estrelas, que lindo né!

Daqui do meu quarto, agora, sem chuva, mas com nuvens, não vejo a estrela D’alva, mas sempre me lembro de lembrar de ver. Nem sempre vejo, mas não esquecendo de lembrar, acho que já é um bom começo.

Vocês conhecem a estrela D’alva?

Boa noite.

Foto: Danny Bittencourt (http://dannybittencourt.wordpress.com/2012/04/28/gestos-e-restos/)

Deixe uma resposta