Após o 38º ENAPEF…

Passados três dias em Tramandaí, mais três dias em Porto Alegre, e então me sento para escrever.

Em resumo, os últimos seis dias passei da seguinte forma: quinta pela manhã, deixei o material para o evento Moderna Idade, na PUC (onde ministramos vivências circenses para a 3º Idade, na sexta e sábado), e pela tarde tomei o ônibus para Tramandaí. Nesta noite, e nos dias seguintes, até sábado, estive no 38º ENAPEF, ministrando o curso As Técnicas Circenses e a Educação Física, e acompanhando as outras atividades. No domingo, retornei a Porto Alegre, com outros professores que seguiram para São Paulo. No mesmo domingo, pela tarde, participei do Donna Fashion, auxiliando a Palitolina em sua tentativa de desfile. Ontem, passei o dia trabalhando em produções e hoje, consultando um médico para descobrir o motivo da dor abdominal, minha fiel companheira de meses, e também ensaiando. Agora cá estou, tentando por os pensamentos em ordem e deixar por aqui o que mais importa. Eis então a questão: mas e o que é que mais importa?

O que importa, no sentido de importante, é o que importamos para dentro, no sentido de guardar conosco. Importante explicação sobre o importar, que aprendi com Mário Sérgio Cortella. E o que então, eu tenho importado?

Tenho importado, aos poucos, pacientemente, a paciência. A aceitação de que não importa quanto eu me importe com a pressa: o tempo tem o seu tempo! Tenho importado que apesar da espera ser necessária, eu posso esperar parado, ou posso esperar em movimento. Tenho aprendido a importância de saber esperar ativo e paciente. Tenho importado os paradoxos da vida. Tenho importado o conviver com os outros, tantos outros, tantos diferentes. Medido a minha intenção, as minhas projeções no trabalho coletivo, com os quereres e as iniciativas dos demais. Importando atento os comportamentos, aprendendo a dialogar com a vida e com os que nela estão. Porque talvez o que mais importe seja justamente esses encontros, e esses que passam, caminham conosco, independente do tempo, mas com aceitação e intensidade. Aceitação, o que mais tenho tentado importar, provavelmente.

Importa-me muita a família, claro, que mais ou menos distante me acompanha, devido a agenda corrida. Importa os que dividem comigo as ideias, as vontades e as ações da Canto e NECITRA. Os que dividem comigo o dia a dia, o meu bom humor, o meu mau humor. Importa dividir, compartilhar.

Encontrar, dividir, compartilhar e então importar, carregar para dentro do corpo. Optei por escolher um caminho de arte e de educação. De criar e pensar como compartilhar esses processos, promovendo encontros, para talvez criar momentos importantes, no sentido de que estes, que dividiram momentos comigo, possam importar algo desta convivência, mesmo que curta.

Assim, foi, para mim, os três dias que passei no ENAPEF.

Durante um bate-papo, no último dia, falei do significado da Alegria, em Espinoza, como a potencialização do ser. E foi assim que retornei para Porto Alegre, mais alegre, potencializado. Espero que tenha promovido momentos importantes para os colegas educadores físicos que conviveram comigo nestes dias de curso, tanto quanto à mim foi demais importante a aceitação e a motivação com que me receberam neste curso. Ao que sou muito grato.

Deixe uma resposta